Notícias

Rússia diz que retira mais tropas em meio a impasse na Ucrânia

Moscou: A Rússia disse na quarta-feira que estava devolvendo mais tropas e armas às bases, mais um gesto aparentemente destinado a aliviar os temores de que planeja invadir a Ucrânia, mesmo quando os EUA disseram que a ameaça de um ataque permanecia.

China é contra mudar o status quo de Jerusalém

A Rússia concentrou cerca de 150.000 soldados no leste, norte e sul da Ucrânia, provocando preocupações ocidentais de que estava planejando um ataque. Não houve indicações de uma retirada significativa dessas forças, mas nesta semana houve um punhado de gestos de Moscou que ofereceram esperança de que a Europa possa evitar a guerra após semanas de crescentes tensões Leste-Oeste.

Na quarta-feira, o Ministério da Defesa da Rússia divulgou um vídeo mostrando um trem carregado de veículos blindados atravessando uma ponte longe da Crimeia, península do Mar Negro que a Rússia anexou da Ucrânia em 2014. bases.

Um dia antes, o ministério informou o início de uma retirada de tropas após exercícios militares perto da Ucrânia. E o presidente russo, Vladimir Putin, sinalizou que queria um caminho diplomático para sair da crise, enfatizando que não queria a guerra e que contaria com negociações para alcançar seu objetivo principal de impedir a entrada da Ucrânia na Otan.

Enquanto os EUA e seus aliados continuaram a expressar ceticismo sobre as intenções da Rússia, as medidas mudaram o rumo em meio à pior crise de segurança Leste-Oeste desde a Guerra Fria.

Ainda assim, Putin não se comprometeu com uma retirada total, dizendo que os próximos movimentos da Rússia no impasse dependerão de como a situação evoluir. Os militares russos não deram o número de tropas ou armas retiradas e ofereceram poucos outros detalhes.

O presidente Joe Biden observou na terça-feira que as autoridades americanas não verificaram a afirmação da Rússia.

"De fato, nossos analistas indicam que eles permanecem em uma posição muito ameaçadora", disse Biden em comentários na Casa Branca. Ainda assim, ele prometeu que os EUA dariam à diplomacia "todas as chances".

O secretário de Defesa britânico, Ben Wallace, também disse que “é muito cedo para dizer” se a retração é genuína, observando que os russos “não tomaram o pé do acelerador”.

"Acho que não vimos é evidência de retirada que foi reivindicada pelo Kremlin", disse ele à Sky News. "Na verdade, vimos um acúmulo contínuo de coisas como hospitais de campanha e sistemas de armas estratégicas. Até vermos uma redução adequada, acho que todos devemos ser cautelosos sobre a direção das viagens do Kremlin".

Na quarta-feira, caças russos voaram em missões de treinamento sobre a Bielorrússia, vizinha da Ucrânia ao norte, e pára-quedistas realizaram exercícios de tiro em campos de tiro como parte de jogos de guerra massivos que o Ocidente temia que pudessem ser usados ​​como cobertura para uma invasão da Ucrânia.

O ministro das Relações Exteriores da Bielorrússia, Vladimir Makei, reafirmou que todas as tropas russas deixarão o país após as manobras terminarem no domingo.

A Rússia negou ter planos de invasão e zombou das advertências ocidentais sobre uma invasão iminente como "histeria" e "loucura".

Questionado pelo diário alemão Welt se a Rússia atacaria na quarta-feira – apontada por autoridades ocidentais como uma possível data de invasão – o embaixador da Rússia na União Europeia, Vladimir Chizhov, brincou: “As guerras na Europa raramente começam em uma quarta-feira”.

"Também não haverá uma escalada na próxima semana, na semana seguinte ou no próximo mês", disse ele.

A Rússia quer que o Ocidente mantenha a Ucrânia e outras ex-nações soviéticas fora da Otan, interrompa o envio de armas perto das fronteiras russas e recue as forças da Europa Oriental. Os EUA e seus aliados rejeitaram redondamente essas exigências, mas se ofereceram para se engajar em negociações com a Rússia sobre maneiras de reforçar a segurança na Europa.

Falando após se reunir com o chanceler alemão Olaf Scholz, Putin disse na terça-feira que o Ocidente concordou em discutir a proibição do envio de mísseis para a Europa, restrições a exercícios militares e outras medidas de construção de confiança – questões que Moscou colocou sobre a mesa anos atrás. Ele acrescentou que faria isso apenas em combinação "com as principais questões que são de importância primordial para nós".

Enquanto Scholz reiterou que a expansão da Otan para o leste “não está na agenda – todo mundo sabe disso muito bem”, Putin retrucou que Moscou não será aplacada por tais garantias.

"Eles estão nos dizendo que isso não acontecerá amanhã", disse Putin. "Bem, quando isso acontecerá? Depois de amanhã? Queremos resolver essa questão agora como parte do processo de negociação por meios pacíficos".

Scholz também disse que as opções diplomáticas estão “longe de esgotadas” e elogiou o anúncio da retirada das tropas como um “bom sinal”, acrescentando: “Esperamos que mais se sigam”.

Mas as autoridades ucranianas expressaram ceticismo, dizendo que querem ver evidências da retirada russa e o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, disse que não houve sinais, até agora, de uma presença militar reduzida nas fronteiras da Ucrânia.Os líderes ucranianos tentaram repetidamente projetar calma, mas também força durante a crise. Em uma demonstração de determinação, o presidente Volodymyr Zelenskyy declarou quarta-feira o “dia da unidade nacional”, convocando os cidadãos a exibir a bandeira azul e amarela e cantar o hino nacional diante de “ameaças híbridas”.

Em Moscou, legisladores russos enviaram na terça-feira um apelo a Putin pedindo que ele reconheça áreas controladas por rebeldes no leste da Ucrânia como estados independentes – onde a Rússia apoiou rebeldes em um conflito que matou mais de 14.000 desde 2014. inclinado a apoiar a moção, que efetivamente quebraria um acordo de paz de 2015 que foi um golpe diplomático para Moscou.

Rússia diz que retira mais tropas em meio a impasse na Ucrânia