Notícias

Comunidade peruana planeja reiniciar bloqueio de estrada de mina em meio a trégua

Os líderes do distrito de Coporaque prometem continuar a bloquear a estrada que leva à mina de cobre Las Bambas.

Ministros de investimentos sauditas e de Omã visitam instalação de energia limpa na cidade industrial de Alfanar, em Riad

Membros de uma comunidade peruana prometeram reiniciar um bloqueio rodoviário contra uma importante mina de cobre, mesmo quando uma segunda comunidade prometeu uma trégua de 45 dias na disputa.

A interrupção planejada é a mais recente de uma série de protestos ao longo da estrada que leva à mina Las Bambas, que é de propriedade da MMG Ltd e produz 2% do suprimento mundial de cobre. Dezenas de comunidades andinas empobrecidas vivem ao longo da estrada de terra de 400 km (248 milhas). Eles reclamam regularmente que os caminhões que transitam para a mina poluem o meio ambiente e não aumentam a qualidade de vida dos moradores.

Desde a abertura em 2016, a estrada de mineração está bloqueada há mais de 400 dias por diferentes grupos. Mais recentemente, os líderes do distrito de Capacmarca concordaram em suspender o bloqueio por 45 dias após uma reunião com o novo primeiro-ministro do Peru, Anibal Torres.

No entanto, logo depois, líderes do distrito de Coporaque, onde também manifestantes bloquearam recentemente a estrada, disseram que continuariam o bloqueio.

“Bom para nossos irmãos em Capacmarca. Enquanto isso, Las Bambas não passará por Coporaque”, disse a Frente de Defesa de Coporaque em mensagem no Facebook.

Um membro do grupo, Roger Condo, disse à agência de notícias Reuters que eles se reuniriam na segunda-feira para planejar o bloqueio.

Os protestos são comuns contra as mineradoras no Peru há anos, vindos não apenas das comunidades locais, mas também de trabalhadores que exigem salários mais altos.

Em janeiro, um grupo de comunidades rejeitou uma proposta do governo que teria visto os proprietários de Las Bambas oferecerem apoio financeiro em troca de uma moratória nos bloqueios.

Os protestos contínuos representaram um desafio para o presidente Pedro Castillo, que foi eleito em junho depois de concorrer com uma plataforma de esquerda de prometer priorizar as necessidades dos peruanos marginalizados. No entanto, seus programas sociais exigem amplamente a receita tributária da mineração.

A mina Las Bambas sozinha representa 1% do produto interno bruto do país. Anteriormente, havia suspendido as operações em dezembro devido ao bloqueio.

Comunidade peruana planeja reiniciar bloqueio de estrada de mina em meio a trégua